Band E-Sports

O Band e-Sports é o espaço para falar sobre esportes eletrônicos formado por Daniel Filho, Gabriel Batistella e Moisés Martins. Assim como no YouTube, as principais novidades do setor serão apresentadas e comentadas aqui em forma de coluna no site do BandSports.

Band E-Sports

Uma realidade escancarada dentro da comunidade dos eSports

Por Moisés Martins 08/01/2021 • 17:03
Thiago “Tinows” Sartori foi um dos acusados de assédio sexual na última terça-feira (05)
Thiago “Tinows” Sartori foi um dos acusados de assédio sexual na última terça-feira (05)
Divulgação/Riot Games

Um dos benefícios de uma pluralidade vinda de outras áreas do jornalismo esportivo é poder acompanhar de perto algumas histórias vindas de onde não esperávamos, mais especificamente, de minorias. Aqui pode parecer que é desnecessário ressaltar o óbvio, mas infelizmente o universo do esporte eletrônico é excessivamente seletivo e recluso e requer sempre que pautas como esta sejam levantadas para o debate na sociedade. Existem ainda os negacionistas que afirmam a inclusão com as mesmas condições e desconsideram os apelos da maioria da comunidade, mas prefiro deixá-los no esquecimento.

O dia 05 de janeiro de 2021 ficou marcado pela grande quantidade de denúncias que vieram à tona no Twitter sobre assédio sexual, moral e psicológico sofridos por mulheres que tiveram envolvimento com diversos elementos que compõem majoritariamente o cenário brasileiro de League of Legends, com poucas exceções para o Valorant, Rainbow Six e também Counter Strike Global Offensive. Estas foram motivadas pela declaração de Daniela Li, em sua página pessoal, onde afirmou ter sofrido uma tentativa de estupro por parte de Gabriel “Mit” Souza, ex-técnico e até então comentarista do Circuito Desafiante. A partir daí inúmeros casos foram revelados e tiveram o auxílio de outras personalidades femininas do cenário, mas ainda assim não ocultaram o dano causado pela quantidade de casos sórdidos e chocantes de pessoas que se colocavam como defensoras da inclusão feminina.

Talvez o maior ponto de reflexão dentro disso tudo seja a concentração de relatos em apenas um dia de revelações e que, ainda assim, existem aqueles que não vieram à tona por receio das vítimas, podendo abranger um contingente ainda maior de personalidades. Me assusta também, alguns relatos sobre homens que ofereceram vantagens ou oportunidades em troca de favores sexuais e que, em um cenário composto majoritariamente por mulheres, deve-se pressupor que este número aumente ainda mais ao decorrer do tempo.  

Quantas vezes mais teremos que esperar casos como o da Daniela e, pessoas corajosas como ela, para que essa reflexão nos atos cotidianos seja debatida entre a comunidade dos esports? Até lá, muitas mulheres serão inibidas, coagidas ou agredidas por oportunistas que ocupam alguma posição de relevância. Isto sem levar em conta as demais partes, como a população negra, periférica ou LGBT que estão em uma espécie de fila de relevância para o cenário sem qualquer perspectiva de melhora ou salvação, muito pelo contrário, a luz no fim do túnel parece estar cada vez mais apagada.

  • band-e-sports
  • esports
  • assédio
  • app