Eduardo Gambier

Estudante de Jornalismo apaixonado por artes marciais, começou a cobrir esportes de combate aos 16 anos de idade, tendo entrevistado grandes lendas do esporte, como José Aldo, Maurício Shogun, Demian Maia e Rafael Cordeiro. Já atuou como comentarista em eventos do MMA Internacional, como o ONE FC e PFL. Nesta coluna fará análises de forma imparcial sobre os maiores eventos e lutadores do mundo da luta.

Nocaute

Ryan Garcia: a joia do boxe

Por Eduardo Gambier 07/01/2021 • 13:05
Ryan Garcia é uma estrela em ascensão no mundo do boxe
Ryan Garcia é uma estrela em ascensão no mundo do boxe
Reprodução/Instagram Ryan Garcia

Ryan Garcia começou no mundo do boxe com apenas 7 anos de idade. Em toda carreira amadora, o norte-americano acumulou 15 títulos nacionais e internacionais e somou um cartel histórico de 215 vitórias e apenas 15 derrotas. No início da sua trajetória, o jovem pugilista já impressionava pela movimentação, esquiva, velocidade e pelo poder de nocaute.  

Oscar de La Hoya aproveitou o “hype” criado em torno do garoto e trouxe o descendente de mexicanos para o Golden Boy. Evento gerido pelo ex-pugilista norte-americano. Nas primeiras dez lutas, Ryan sequer precisou do segundo assalto e mostrou um ímpeto fenomenal. Neste ano, o boxeador de apenas 22 anos venceu Jake Campbell por nocaute no sétimo round e conquistou o cinturão interino da WBC. No começo do combate, ele demorou para se adaptar ao sistema de distância do inglês e sofreu seu primeiro knockdown na carreira depois de um cruzado limpo, que levou o jovem à lona. The King mostrou garra e coração, levantou de maneira rápida e conseguiu anular a pressão do adversário.

Nos assaltos seguintes, Ryan colocou seu jogo em prática, mostrou resiliência, encurtou o combate e em todo momento marcava Campbell com golpes na linha de cintura. No sétimo round, Garcia se movimentou muito bem e acertou um cruzado no fígado, que impediu Jake Campbell de continuar no embate. Com o triunfo, Ryan chegou aos 18 nocautes em 21 vitórias e demonstrou pertencer à alta patente do boxe.  

Muitos dizem que Campbell foi o primeiro adversário de nível imposto ao jovem, mas classifico Francisco Fonseca e Romero Duno como rivais de peso e que devem ser respeitados. Agora não terá com fugir, o próximo compromisso será contra alguém de nível esplêndido. É especulado o nome de Davin Haney, atual campeão da WBC, que já enfrentou Garcia na carreira amadora, foram seis confrontos e três vitórias para cada lado. Seria um verdadeiro choque de titãs, lutadores rápidos, com extremo poder nos golpes e esquivas perfeitas, porém, o norte-americano também esboçou vontade de enfrentar Gervonta Davis ou até mesmo Manny Pacquiao. De toda maneiro, Ryan terá que medir bem os próximos passos na carreira, qualquer erro fora dos treinos ou falta de foco pode atrapalhar o sonho de se tornar rei na nobre arte.  

  • eduardo-gambier
  • boxe
  • ryan garcia
  • app
  • nocaute