Eduardo Tironi

Jornalista há 28 anos, a maioria deles dedicados ao esporte, cobriu as Copas do Mundo de 1998 (França), pelo Notícias Populares, e 2006 (Alemanha) pelo Diário Lance!, onde foi editor-executivo. Sete anos como comentarista e editor-executivo na ESPN Brasil, tendo participado da cobertura da Copa do Brasil (2014) e da Olimpíada do Rio-2016 pelo canal.

Papo com Tironi

Clubes tropeçam no dia contra a homofobia

Por Eduardo Tironi 18/05/2022 • 10:25
Alguns clubes fizeram manifestações meramente protocolares
Alguns clubes fizeram manifestações meramente protocolares
Reprodução

Nesta terça-feira comemorou-se o Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia. Como em todas as datas em que o engajamento dá uma boa lustrada na imagem, os clubes de futebol do Brasil correram para postar mensagens edificantes nas redes sociais.

Mas… em alguns casos foram mensagens tão protocolares, envergonhadas ou até constrangedoras que a esperança de um ambiente mais tolerante e inclusivo no futebol foi por água abaixo.

O Palmeiras, por exemplo, em vez de postar nas redes a bandeira símbolo do movimento LGBTQIA+, usou apenas a sua cor verde. E uma mensagem protocolar, claro.

O Corinthians conseguiu enfiar uma dose de clubismo até em um tema como este. Postou a imagem do arco-íris sem a cor verde, do arquirrival Palmeiras.

O São Paulo também postou lá uma mensagem protocolar e só.

Alguns clubes nordestinos foram mais enfáticos e esta é uma boa notícia. Como o Fortaleza, que não escondeu cor nenhuma e ainda fez uma arte bonita com as cores do arco-íris e o seu escudo. Também muito legal a arte feita pelo Bahia, sem esconder cor nenhuma, sem passar recado pela metade.

Claro que postagens nas redes sociais significam na prática muito pouco. Enquanto clubes postam aqui e ali, torcedores seguem sendo preconceituosos nas arquibancadas.

Mas as entidades têm a obrigação de exercer diariamente a fiscalização contra a homofobia e qualquer outro tipo de preconceito. Postar em redes sociais, ainda mais mensagens envergonhadas, não ajuda nem na melhora da imagem.

  • eduardo-tironi
  • lgbtqia+
  • homofobia
  • futebol
  • app