Eduardo Tironi

Jornalista há 28 anos, a maioria deles dedicados ao esporte, cobriu as Copas do Mundo de 1998 (França), pelo Notícias Populares, e 2006 (Alemanha) pelo Diário Lance!, onde foi editor-executivo. Sete anos como comentarista e editor-executivo na ESPN Brasil, tendo participado da cobertura da Copa do Brasil (2014) e da Olimpíada do Rio-2016 pelo canal.

Papo com Tironi

Quem se deu bem e quem se deu mal no sorteio da Libertadores?

Por Eduardo Tironi 02/06/2021 • 09:27
Inter, Fluminense e Palmeiras foram os mais beneficiados entre os brasileiros
Inter, Fluminense e Palmeiras foram os mais beneficiados entre os brasileiros
Divulgação/Conmebol/Staff Images

Das várias imitações que os cartolas sul-americanos fizeram do futebol europeu algumas são sem sentido ou tradição alguma, como a final em jogo único ou, principalmente, a entrada em campo dos dois times e árbitro ao mesmo tempo.

Mas a ideia do sorteio dos confrontos da fase de mata-mata da Libertadores e Sul-Americana é excelente. O clima é de jogo, torcedores de todos os times estão ligados para saber quem vai enfrentar. E o secador é ligado na hora de sair os confrontos dos rivais.  Fugir dos argentinos, evitar brasileiros… as discussões são acaloradas enquanto as bolinhas não são sorteadas, e o clima é de tensão enquanto elas são abertas e os papeizinhos mostrados pelos engravatados.

Foi o que aconteceu nesta terça-feira com os confrontos desta temporada decididos.

É possível dividir em duas partes a análise dos confrontos: pelo adversário das oitavas e pelo caminho de cada time até a decisão. Pelos adversários da final, Inter, Fluminense e Palmeiras foram os mais beneficiados entre os brasileiros. Olimpia, Cerro Porteño e Universidad Catolica são os adversários mais acessíveis. Já o caminho menos complicado parece o do Flu. O trecho mais difícil (em tese, sempre em tese) seria a semifinal em que o rival poderia ser o Flamengo.

O Atlético-MG tem situação inversa. Enfrenta o sempre perigoso Boca já nas oitavas. Se passar, encara o River Plate ou o Argentinos Juniors. O São Paulo também tem caminho espinhoso. Se superar o Racing (time que não venceu na primeira fase), poderá ter o Palmeiras nas quartas.

Como não saiu nenhum confronto entre brasileiros, poderemos ter seis times daqui nas quartas de final, ou 75% dos sobreviventes. Mas não será fácil. Alguns confrontos parecem bem complicados.

  • eduardo-tironi
  • libertadores
  • app
  • futebol
  • palmeiras
  • são paulo
  • fla