Rafael Augusto

Acredita no poder de contar uma história e que se for possível fazer a diferença para uma única pessoa, terá cumprido o seu papel. É formado em Jornalismo e tem especialização em Mídias Sociais. Atualmente no Bandsports, conta com passagens pela TV Band, ESPN, Olimpíada Todo Dia e Gazeta de Santo Amaro.

Brasileiros pelo Mundo

Junior Messias: de entregador à Primeira Divisão italiana em cinco anos

Por Rafael Augusto 28/10/2020 • 12:43 - Atualizado em 02/11/2020 • 09:07
Junior Messias nos tempos em que defendeu o Gozzano na Série D
Junior Messias nos tempos em que defendeu o Gozzano na Série D
Divulgação Gozzano

Futebol se joga no estádio?
Futebol se joga na praia,
Futebol se joga na rua,
Futebol se joga na alma.


O poema escrito pelo vascaíno Carlos Drummond de Andrade resume o que é o futebol para muitos dos brasileiros, principalmente para aqueles que passaram a vida correndo não somente atrás de uma bola, mas de um sonho.

O personagem que marca a estreia desta coluna tem uma história que representa a de muitos: Junior Walter Messias, que fez o primeiro gol da carreira no Campeonato Italiano na quinta rodada diante do Cagliari em favor do Crotone, que disputa a primeira divisão da Série A, transmitida pelos canais Bandsports e Band.

Trabalho como entregador e destaque na “várzea” de Turim  

Junior Messias, de 29 anos de idade, buscou no exterior o que muitos também procuram: melhorar a condição de vida da família. O meia-atacante brasileiro nasceu em Ipatinga (MG), mas viveu em São Cândido, cidade 250 quilômetros de distância de Belo Horizonte. Apesar da paixão pelo futebol, não chegou a integrar divisões de base em clubes do Brasil e isso foi um dos motivos que o fez, junto a seu irmão, deixar o país em 2011 rumo a Turim, na Itália, uma das capitais do futebol mundial.

“Desde criança, creio eu, todo brasileiro tem o sonho de ser tornar um jogador de futebol profissional. Eu, quando vim para a Itália, vim com meu irmão para ver se a gente conseguia fazer os documentos, se conseguia um time para a gente jogar, mas é muito difícil. Na época, eu não consegui documento e fui viver a minha vida, fui trabalhar. O meu irmão voltou para o Brasil e eu continuei aqui trabalhando e me virando”, conta ele.

O período para que o jogador conseguisse a documentação que o permitisse jogar demorou cinco anos. Durante esse tempo, ele se virou e chegou a trabalhar com entregas na cidade de Turim, mas sem nunca deixar o futebol de lado.

“Tinha uma empresa aqui que entregava eletrodomésticos, os donos são peruanos, é como se fossem a minha segunda família aqui. Eles tinham um time de futebol que jogava o campeonato amador na cidade e eu comecei a trabalhar com eles fazendo entrega durante a semana e no final de semana a gente jogava”, lembra.

O time em questão era o Sport Warique, equipe que disputava o campeonato amador da região de Turim, praticamente o futebol conhecido como várzea. O bom desempenho do brasileiro chamou a atenção de equipes profissionais das divisões inferiores.

Escalando as divisões italianas

Junior Messias recebeu a primeira oportunidade no Casale, time que já foi campeão da Série A em um passado distante, mas que na temporada 2015/2016 disputava a quinta divisão, chamada de Excellenza, e buscava uma vaga na Série D. E a promoção veio por causa dos 21 gols de Junior Messias em uma temporada brilhante, que rendeu a primeira colocação ao Casale e o acesso.

O desempenho chamou a atenção de outra equipe que também disputaria a Série D, o Calcio Chieri, time da região de Turim, que não hesitou em contar com os serviços do jogador e o contratou para defender o clube na temporada 2016/2017, com o intuito de buscar o acesso à Série C.

A participação no novo clube veio logo com um triunfo. O brasileiro ajudou o Chieri a conquistar o primeiro título nacional do clube, a Coppa Itália daquela divisão, inclusive marcando o segundo gol da decisão que terminou com a vitória por 2 a 1.

Além da conquista, Junior Messias balançou as redes 14 vezes na Série D e por mais que os gols não tenham sido suficientes para o acesso do Chieri, serviram para que o jogador atraísse o interesse do Pro Vercelli, equipe que disputaria a Série B italiana. Em duas temporadas, Junior Messias pularia da quinta divisão para a Série B.

Problemas na inscrição e volta à Série D

O sonho de melhorar a condição de vida da família parecia cada vez mais próximo, mas assim como o impediram de iniciar a carreira logo que chegou à Itália, novamente problemas com a documentação se mostraram um empecilho.

O Pro Verceli não poderia inscrever jogadores estrangeiros que foram registrados em times amadores. A única brecha na regra era a condição de que o jogador estrangeiro tivesse conquistado a Série D. Junior Messias ficou apenas treinando por cinco meses e perdeu metade da temporada até acertar com o Gozzano, para justamente voltar a atuar na Série D e tentar a conquista que permitiria a sua inscrição nas divisões superiores.

“Eu pensei muitas vezes em desistir, pois tinha combinado um salário e cortaram mais do que a metade. Então, pensei que tinha que procurar alguma coisa para eu fazer. Voltei para a Série D e é mais difícil ainda porque você dá um salto de qualidade para a Série B e depois tem que voltar de novo. Mentalmente é difícil, mas Deus me deu forças e eu continuei”, relembra.

Pelo Gozzano, Junior Messias fez duas temporadas (de 2017 a 2019), com mais de 50 partidas e 11 gols, que renderam a ele uma posição de destaque e contribuição direta para a promoção do time à Série C.

Nova casa e chegada ao topo

O bom futebol apresentado pelo brasileiro no Gozzano chamou a atenção de diversos clubes da Série B italiana. Com a conquista da Série D no currículo, ele poderia ser inscrito. Em janeiro de 2019, o Crotone, time da região da Calábria, decidiu comprá-lo, mas ainda o deixou emprestado para que terminasse a temporada no antigo clube.

Somente em junho de 2019 ele recebeu a camisa 30 do novo clube, que tinha como meta a terceira aparição na elite do futebol italiano. Como a carreira de Junior Messias é tão especial, em sua primeira temporada no clube isso já foi possível.

Em 34 jogos, ele balançou as redes seis vezes e deu seis assistências. O Crotone foi vice-campeão e conquistou o acesso. Era o sonho de quem chegou em 2011 na Itália se tornando finalmente realidade.

“É raro você chegar no profissional com 27 anos, igual eu cheguei na Série C, depois jogar a Série B com 28 e a Série A com 29... Eu comecei a jogar há cinco anos e você fazer cinco divisões diferentes em cinco anos para chegar ao topo do futebol italiano é uma coisa que só Deus mesmo pode fazer”, finaliza.

Pelas prévias, o Crotone é apontado como um dos candidatos ao rebaixamento e até a 5ª rodada está na última colocação, mas diante de todo o esforço e dedicação de Junior Messias, toda a história já valeu a pena.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Bandsports

  • rafael-augusto
  • série a
  • crotone