Notícias

Cria da praia, Kelvin Hoefler ignorou futebol e surfe na infância, revela pai do medalhista

Da Redação 25/07/2021 • 14:50 - Atualizado em 25/07/2021 • 20:04
Kelvin em ação em Tóquio: medalha de prata
Kelvin em ação em Tóquio: medalha de prata
Jonne Roriz/COB

“Essa medalha de prata tem gosto de ouro”, disse Enéas Rodrigues, o pai super orgulhoso do primeiro brasileiro medalhista olímpico no skate. O atleta é o skatista Kelvin Hoefler, que garantiu a medalha de prata, neste domingo, 25, em Tóquio. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o pai do atleta, Enéas, revelou que o filho, quando criança, não queria saber de futebol e muito menos de surf – a família morava no Guarujá, litoral de São Paulo. A “praia” dele eram os obstáculos do skate.

“Ele [Kelvin] começou a andar [de skate] com nove anos. Eu dei o kit para ele. Até tentei outro esporte, no começo. Tentei futebol, mas ele não se deu bem. Tentei o surf também, mas ele não curte muito água gelada. Então eu tinha o kit guardado, que era meu mesmo, e passei para ele”, explicou Enéas, em entrevista a Milton Neves.

Por falar em futebol, a medalha foi comemorada pelo Santos, time do coração de Kelvin. O clube parabenizou o skatista pela conquista.

Enéas não poupou palavras para descrever a emoção sentida pela conquista do filho, que garantiu a primeira premiação brasileira na competição.

“Sensação muito gostosa. Logicamente, a gente queria estar lá. Todo pai tinha que sentir esse prazer, de sentir um filho conquistar um evento tão importante”, continuou.

Exemplo para os jovens

Kelvin tem seis títulos mundiais, mas, até esta edição dos jogos olímpicos, o skate não era uma modalidade olímpica. Somente em 2016 o Comitê Olímpico Internacional (COI) permitiu que o esporte integrasse as Olimpíadas seguintes, a partir de 2020. Com isso, o atleta fez história ao conquistar a primeira medalha para o Brasil.

“É muito gratificante você sair à rua e ser cumprimentado. É um orgulho”, disse. E Enéas acrescenta: “Ele tem seis títulos mundiais, mas a gente sabe que esse da Olimpíada é muito especial. Essa nova geração que vem agora vai se espelhar muito no Kelvin”, finalizou.

  • olimpíadas
  • tóquio2020
  • app