Notícias

Lewis Hamilton: "Eu desafiei o esporte e pessoas no poder"

Da Redação BandSports 23/11/2021 • 12:57 - Atualizado em 23/11/2021 • 14:24
"Espero que as pessoas possam observar um esporte mais diversificado", disse o piloto
"Espero que as pessoas possam observar um esporte mais diversificado", disse o piloto
Reprodução/Instagram Lewis Hamilton

A batalha de Lewis Hamilton não é apenas contra Max Verstappen, da Red Bull, pelo octacampeonato mundial de Fórmula 1. Aos 36 anos, o piloto da Mercedes divide seu tempo entre a “busca pela perfeição” dentro das pistas e o ativismo por causas sociais, principalmente na luta contra o racismo.

Maior campeão da principal categoria ao lado de Michael Schumacher, com sete títulos, o britânico entende que de pouco valem os troféus conquistados se ele não deixar um legado no esporte a motor quando pendurar as luvas e o capacete.

“Ter todos esses títulos é legal, com certeza, mas o que você faz com esses troféus?. Eu espero que meu legado, quando as pessoas olharem para trás, daqui dez ou 20 anos, elas possam observar um esporte mais diversificado. Pois eu desafiei o esporte e pessoas no poder”, falou o heptacampeão.

Na busca por maior diversidade na F1, Hamilton ainda admitiu que nunca entendeu o motivo de ser o único piloto negro do grid e se mostrou indignado com a indiferença de outras pessoas com a situação.

“Durante toda a minha carreira, eu e meu pai éramos os únicos negros na pista, sempre. Depois, chegamos à Fórmula 1 e a realidade era a mesma. Eu nunca entendi as razões disso”, explicou.

“Sempre perguntava para os meus chefes, para pessoas que trabalham comigo na indústria automobilística e ninguém nunca tinha uma resposta. E eles estavam confortáveis com isso, com o pensamento de que ‘não há negros em busca desses trabalhos’”, contou o piloto. 

Como resultado de suas indagações e engajamento, o heptacampeão criou a The Hamilton Comission, iniciativa que visa aumentar a participação de pessoas negras na Fórmula 1 e na indústria automobilística em geral. 

Perfeição em foco
Para seguir brigando por vitórias e levantando o debate sobre questões antes pouco faladas na F1, o heptacampeão mencionou que não se contenta apenas com bons resultados, mas que procura alcançar a “perfeição”.

“Eu não venço uma corrida e penso ‘uau, ótimo’. Nunca me senti assim. Meu pensamento é ‘como eu posso ser melhor?’. O sucesso só dura por um momento. Mas logo depois eu já penso que, na verdade, perdi um pouco de tempo ali ou poderia ter sido melhor nos pit-stops. É um ciclo infinito de busca pela perfeição”, encerrou.

Em meio ao seu ativismo, Hamilton segue na luta pelo octacampeonato mundial. Na vice-liderança da classificação, ele chegou à marca de 343,5 pontos e tem oito de desvantagem para o líder Verstappen, que soma 351,5.

Com cobertura completa do Bandsports e da Band nas duas últimas etapas da temporada da F1, os pilotos voltam à ação no GP da Arábia Saudita, entre os dias 3 e 5 de dezembro. Abu Dhabi encerra a temporada na semana seguinte.

Assista à entrevista do piloto: