Notícias

No país onde homossexualidade é crime, Hamilton estreia capacete em apoio à comunidade LGBTQIA+ do Catar

Da Redação BandSports 19/11/2021 • 08:13 - Atualizado em 22/11/2021 • 09:14
Heptacampeão apareceu na pista com cores da bandeira LGBTQIA+ na pintura do casco
Heptacampeão apareceu na pista com cores da bandeira LGBTQIA+ na pintura do casco
Reprodução/F1

Após usar o verde e amarelo do Brasil no GP de São Paulo, Lewis Hamilton estreou um capacete especial para o GP do Catar de Fórmula 1. O piloto da Mercedes apareceu no primeiro treino livre desta sexta-feira, 19, no Circuito Internacional de Losail, com um casco com as cores do arco-íris em alusão à bandeira LGBTQIA+, em um claro protesto às leis homofóbicas do governo local. 

No país do Oriente Médio, relações homossexuais são proibidas e consideradas crime. Além disso, o Catar é constantemente criticado por violações dos direitos humanos. Nos últimos dias, inclusive, o jogador de futebol australiano Josh Cavallo, que assumiu ser gay, admitiu que “sente medo” de disputar a Copa do Mundo de 2022, que será realizada no país. 

Na pintura nova, Hamilton ainda substituiu sua tradicional frase “Still We Rise” (Ainda nos levantamos, na tradução), inspirada em poema da ativista Maya Angelou, que fala sobre a resiliência de pessoas negras em meio à discriminação racial. Agora, a parte de trás do capacete apresenta a mensagem “We Stand Together” (Permanecemos juntos, em tradução livre).

A atitude do heptacampeão mundial corrobora o que ele falou em entrevista a Mariana Becker. Na conversa com a repórter de F1 do Bandsportsda e da Band, ele abriu o jogo sobre problemas que enfrenta e afirmou que sua luta não era apenas contra o racismo. 

Com protesto de Hamilton, os treinos livres e classificatório do GP do Catar contam com cobertura completa do Bandsports a partir desta sexta-feira, 19. A Band exibe a corrida, no domingo, 21.