Notícias

FIA anuncia passos de investigação e coloca Hamilton em xeque

Da Redação Bandsports 13/01/2022 • 14:38
Resultado sairá no início da temporada e pode pressionar inglês a definir futuro
Resultado sairá no início da temporada e pode pressionar inglês a definir futuro
Divulgação/Site F1.com

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) revelou nesta quinta-feira, 13, os detalhes do andamento da investigação do GP de Abu Dhabi do ano passado. A última prova da temporada da Fórmula 1 definiu o título de Max Verstappen com uma ultrapassagem sobre Lewis Hamilton na última volta em um final caótico após a entrada do safety car e decisões polêmicas do diretor de prova Michael Masi.

Já sob o comando de Mohammed Ben Sulayem, novo presidente da FIA, a investigação iniciou conversas com as equipes. O próximo passo será uma uma reunião no dia 19 para discutir os procedimentos de safety car.

“Após a decisão do Conselho Mundial de Automobilismo em Paris, no dia 15 de dezembro de 2021, a administração da FIA, sob a liderança de Mohammed Ben Sulayem, começou uma análise detalhada dos eventos do último GP de Abu Dhabi da Fórmula 1. O presidente da FIA lançou uma consulta com as equipes da F1 em várias questões, incluindo essa. Em reunião de 19 de janeiro, um item da agenda do Comitê Consultivo Esportivo será dedicado ao uso do safety car”, informou o comunicado.

Segundo a entidade, a sequência da investigação terá uma “discussão conjunta com todos os pilotos da F1”. O resultado da análise detalhada será apresentado na Comissão da F1 em fevereiro, enquanto as decisões finais serão anunciadas no Conselho Mundial de Automobilismo, em reunião no Bahrein, em 18 de março, primeiro dia de treinos livres para a prova que abre a temporada 2022.

O anúncio às vésperas do início do campeonato pode ser uma forma de pressionar Lewis Hamilton a tomar uma decisão sobre seu futuro. Nesta semana, a BBC destacou que o inglês perdeu a confiança na FIA está esperando o resultado da investigação para definir a continuidade na categoria. O heptacampeão ainda não se pronunciou publicamente sobre o polêmico desfecho do campeonato e segue afastado das redes sociais.

Relembre a polêmica que marcou a decisão do mundial de F1 no GP de Abu Dhabi

A quatro voltas do fim da prova no circuito de Yas Marina, Lewis Hamilton, da Mercedes, liderava a corrida com ampla vantagem e estava praticamente com as mãos no troféu quando Nicholas Latifi, da Williams, bateu, causando a entrada do safety car na pista.

Enquanto os destroços do carro do canadense eram retirados do traçado e alguns pilotos, incluindo Verstappen, optaram pela ida aos boxes para a troca de pneus, a direção de prova deu início à polêmica confusão. Em princípio, foi divulgado que os retardatários não iriam ultrapassar o líder da prova para se realinhar na pista – o que seria favorável para o britânico, já que cinco carros ficariam entre ele e o rival holandês. 

Minutos depois, no entanto, a decisão foi alterada e, contrariando as regras, somente os carros que estavam entre os dois concorrentes puderam ultrapassar Hamilton, que ficou na alça de mira do piloto da Red Bull. O safety car, que pela regra deveria deixar a pista na volta seguinte, saiu logo em seguida, pois não haveria outra volta, já que estavam entrando no último giro da prova. 

Com a relargada autorizada na volta final, o holandês então aproveitou os pneus mais novos e ultrapassou Hamilton, para conquistar seu inédito título mundial da categoria.