Notícias

Hamilton cobra ações da F1 e questiona campanha por igualdade: "Apenas palavras"

Da Redação Bandsports 11/07/2022 • 12:47 - Atualizado em 12/07/2022 • 10:13
"Apenas falar não é o suficiente", disse o britânico após denúncias na Áustria
"Apenas falar não é o suficiente", disse o britânico após denúncias na Áustria
Instagram/Mercedes

O Grande Prêmio da Áustria de Fórmula 1 ficou marcado por denúncias de comportamentos racistas, sexistas e homofóbicos por parte da torcida presente nas arquibancadas do Red Bull Ring. Os relatos fizeram com que pilotos se manifestassem mostrando indignação com os acontecimentos. 

Lewis Hamilton, inclusive, foi às redes sociais na manhã de domingo e definiu como “nojento” o comportamento de parcela do público. Ao término da corrida, no entanto, ele voltou a falar sobre o tema e foi mais direto nas declarações. 

O britânico da Mercedes ressaltou a necessidade de os responsáveis pela categoria se “comprometerem mais com a diversidade e inclusão” e relembrou da campanha We Race as One (Corremos como um, em tradução). Segundo ele, o projeto iniciado em 2020 foi algo positivo, mas não teve efeitos na prática.

“É hora de agir. ‘We Race as One’ foi tudo bem, mas foram apenas palavras. Na verdade, não fez nada. Não havia financiamento para nada, não havia nenhum programa para realmente criar mudanças e desencadear conversas”, disse em conversa com a imprensa após o GP da Áustria.

Para evitar que os problemas enfrentando na Estíria voltem a se repetir, Hamilton acredita que é necessário as palavras se tornarem ações o quanto antes.

“Então, definitivamente precisamos usar nossas plataformas. Mas, nós realmente temos que intensificar e começarmos a agir em algumas das coisas que estamos dizendo. Apenas falar não é o suficiente. É inaceitável, não é suficiente”, completou. 

Em busca de mudanças na F1, o heptacampeão comprometeu com mais de 20 milhões de libras ( aproximadamente R$ 127 milhões, na cotação atuação) para sua organização Mission 44. Além disso, junto com a Mercedes, ele criou a instituição Ignite para auxiliar minorias dentro da indústria.

Os pilotos voltam à pista entre os dias 22 e 24 de julho para as emoções do GP da França. Os treinos livres e classificação contam com cobertura completa do Bandsports.