Notícias

"Não vacinados poderão disputar o Aberto da Austrália", diz premiê

Da Redação Bandsports, com Agência Brasil 27/10/2021 • 12:51 - Atualizado em 28/10/2021 • 09:27
Atual campeão e dono de nove títulos na Austrália, Djokovic ainda não confirmou presença
Atual campeão e dono de nove títulos na Austrália, Djokovic ainda não confirmou presença
Divulgação/ATP

Primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison afirmou que jogadores de tênis não vacinados terão permissão de entrar no país para disputar o Australian Open, primeiro Grand Slam do ano, em janeiro de 2022 se cumprirem uma quarentena obrigatória de duas semanas seguindo o protocolo de segurança local contra o covid-19.

Os comentários de Morrison contradizem declarações de seu ministro da Imigração, Alex Hawke, que disse na semana passada que tenistas e outros atletas precisariam estar com as duas doses da vacina em dia para entrarem no país.

A declaração do primeiro-ministro é uma boa notícia para a Tennis Australia (Associação de Tênis do país), que quer o número 1 do mundo, Novak Djokovic – além de outros jogadores importantes cujas situações vacinais não estão claras –, competindo no Grand Slam australiano. Notoriamente contrário a vacinas, Djokovic já colocou em dúvida sua participação no torneio, do qual é o atual campeão e maior vencedor com nove títulos.

“Todas as mesmas regras precisam se aplicar a todos”, disse Morrison na terça-feira, 26, ao programa Seven News. “Seja você um vencedor de Grand Slam, um primeiro-ministro ou um viajante a negócios, estudante, ou quem quer seja. Mesmas regras. Os estados estabelecerão as regras de quarentena como estão”.

O estado de Victoria, onde está localizada a cidade de Melbourne que sedia o Aberto da Austrália, certamente exercerá as regulações de quarentena da maneira mais rígida possível.

O premiê de Victoria, Daniel Andrews, faz oposição veemente a deixar pessoas não vacinadas entrarem no país, mas disse que o Estado “administrará o risco” caso o governo federal decida autorizar a entrada delas.