Notícias

Pai de Hamilton explica relação entre filho e Verstappen: “Vale tudo no amor e na guerra”

Da Redação BandSports 27/10/2021 • 12:48 - Atualizado em 27/10/2021 • 13:07
Rivais protagonizaram dois acidentes no ano e também se estranharam em treino nos EUA
Rivais protagonizaram dois acidentes no ano e também se estranharam em treino nos EUA
Divulgação/Fórmula1.com

Motivo de curiosidade para os torcedores, a relação entre os postulantes ao título mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, da Mercedes, e Max Verstappen, da Red Bull, não é tão complicada quanto parece, quem garante é Anthony Hamilton, pai do heptacampeão mundial. 

Protagonistas de uma batalha eletrizante dentro das pistas, os rivais já colidiram duas vezes – em Silverstone e Monza – durante a temporada e tiveram um estranhamento um tanto quanto diferente no segundo treino livre para o GP dos Estados Unidos. Na atividade, que pouco valia para o campeonato, eles ficaram roda a roda durante parte da reta principal do Circuito das Américas e o momento terminou com o holandês mostrando o dedo do meio para o britânico.

Mesmo diante do cenário às vezes polêmico, Anthony afirmou que tudo isso não passa da vontade de vencer dos dois competidores e, inclusive, Hamilton e Verstappen terão um momento descontraído quando o campeonato acabar.

“Não, isso não é verdade [que eles não se gostam]. Eles são competidores ferozes. Lewis quer estar onde Max está e vice-versa. Eles são como boxeadores em um ringue, mas quando isso acabar, haverá risadas e abraços”, contou em entrevista ao site TalkSport.

Para explicar a diferença do comportamento dos pilotos dentro e fora da pista, o pai do heptacampeão usou o exemplo da disputa entre Daniel Ricciardo, da McLaren, e Carlos Sainz, da Ferrari. Com uma relação amigável fora das corridas, o espanhol chamou o australiano de “sujo” após uma briga por posições nos Estados Unidos. 

“Isso se chama competição. Se for muito amigável com seu concorrente, você acaba aliviando um pouco demais. É só você olhar para a disputa entre os pilotos da McLaren [Lando Norris e Daniel Ricciardo] e Ferrari [Carlos Sainz], esses caras são amigos. Quando está fora da pista, você é amigável. Mas quando se está em uma batalha, vale tudo no amor e na guerra”, continuou.

Além de comentar as disputas entre seu filho e Verstappen, Anthony falou sobre o futuro da carreira de Hamilton. Aos 36 anos, ele é o terceiro piloto mais velho do grid –  atrás apenas de Kimi Raikkonen, da Alfa Romeo, que tem 42, e Fernando Alonso, da Alpine, com 40.

“Não sei quando Lewis vai se aposentar. Sempre digo a ele que isso é algo que deve sentir, e, se ainda gosta de pilotar, deve continuar fazendo. Ele é o último dos moicanos. Começou com [Nico] Rosberg, [Robert] Kubica e [Heikki] Kovalainen, todos esses já saíram. Lewis é o único que ficou com os jovens talentos e ainda é o nome a ser batido”, encerrou. 

Após 17 etapas disputadas, Hamilton ocupa a vice-liderança do campeonato mundial com 275,5 pontos, 12 a menos que Verstappen, que soma 287,5. O próximo encontro da dupla será no GP do México, entre os dias 5 e 7 de novembro. Depois da etapa mexicana, a F1 parte para as quatro corridas finais no Brasil, Catar, Arábia Saudita e Abu Dhabi.