Notícias

Paralimpíada: Brasil conquista dois ouros e mantém sexta colocação no quadro de medalhas

Da Redação BandSports 30/08/2021 • 10:11 - Atualizado em 31/08/2021 • 09:48
Claudiney Batista conquistou o ouro no arremesso de disco
Claudiney Batista conquistou o ouro no arremesso de disco
Reprodução/CPB

O sexto dia de Jogos Paralímpicos terminou com mais cinco medalhas para o Brasil. Pela primeira vez nesta edição do evento sem pódio na natação, os triunfos da madrugada desta segunda-feira, 30, ficaram sob a responsabilidade do atletismo e do tênis de mesa.

O grande desempenho do país garante, momentaneamente, a sexta colocação do quadro de conquistas, com 35. São 12 ouros, oito pratas e 15 bronzes. Veja como foi o dia brasileiro em Tóquio:

Beth Gomes – ouro (atletismo – arremesso de peso, classe F52)

Última atleta a arremessar, Gomes garantiu o ouro logo em sua primeira tentativa e aproveitou o restante da prova apenas para aumentar a própria marca. Com tamanha tranquilidade, a brasileira de 56 anos alcançou 17,62m e quebrou seu próprio recorde mundial, que era de 17,41m.

Claudiney Batista – ouro (atletismo – arremesso de disco, classe F56)

Campeão na Rio-2016, confirmou o favoritismo e estabeleceu o novo recorde paralímpico da classe destinada a atleta cadeirante do arremesso de disco, com 45,59m. Em seis tentativas, o mineiro de Bocaiuva fez as quatro melhores marcas da prova. O recorde mundial de 46,68 também é dele.

O pódio foi completado pelo indiano Yogesh Kathuniya, que fez 44,38m, e garantiu a prata, e pelo cubano Leonardo Aldana, que atingiu 43,36m.

Vinicius Rodrigues – prata (atletismo – 100m, classe T63)

Favorito para ocupar o lugar mais alto do pódio após quebrar o recorde paralímpico nas semifinais, Rodrigues bateu na trave e, por um décimo, acabou ficando na segunda colocação da classe para atletas amputados de membros inferiores. Ele completou a prova em 12s05.

Novo campeão da categoria, o russo Anton Prokhorov registrou a marca de 12s04. O alemão Leon Schaefer, com 12s55, completou o pódio.

Alessandro Rodrigo – prata (Atletismo – arremesso de peso, classe F11)

Com sua melhor marca do ano, 13,89m, registrada na última tentativa, Rodrigo ficou com o segundo lugar da categoria destinada a atleta com deficiência visual.

O ouro foi para o Irã. Mahdi Oladi arremessou 14,43m e se sagrou o novo campeão da prova. Oney Tapia, da Itália, completou o pódio.

Bruna Alexandre – prata (tênis de mesa, classe T10)

Alexandre foi derrotada pela australiana Qian Yang na grande decisão da classe T10, para atletas andantes, do tênis de mesa, mas vai voltar para casa com a medalha prateada na bagagem. O revés na final aconteceu por 3 sets a 1, com parciais de 13/11, 6/11, 11/7 e 11/9. 

Em sua melhor campanha paralímpica, a mesatenista de 26 anos fez bonito no Japão. No caminho à decisão, ela eliminou a australiana Melissa Tapper por 3 sets a 0, Yu Tzu Lin, de Taiwan, pelo menos placar, e a também taiwanesa Shiau Wen por 3 a 1, na semifinal.

  • atletismo
  • paralimpíada
  • tóquio
  • app
  • jogos paralímpicos