Notícias

Rebeca exalta força de vontade após brilhar em Tóquio: "Sou grata por não ter desistido"

Da Redação Bandsports 02/08/2021 • 08:15 - Atualizado em 02/08/2021 • 22:46
Ginasta de 22 anos fez história com duas medalhas nos Jogos de Tóquio
Ginasta de 22 anos fez história com duas medalhas nos Jogos de Tóquio
Wander Roberto/COB

Rebeca Andrade era só alegria depois de sua última apresentação nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A brasileira se despediu da competição com a quinta posição no solo e entrou para a história com o ouro no salto e a prata no individual geral.

A campanha inesquecível foi construída na base da vontade e da superação de alguém que passou por três cirurgias no joelho nos últimos quatro anos e mesmo assim não desistiu do esporte.

“Estou feliz demais. Por baixo da máscara está um sorriso de orelha a orelha. Muito grata por tudo o que eu fiz desde o primeiro dia de competição e por ter finalizado tão bem”, disse em entrevista a Elia Junior, do Bandsports.

“A força de vontade me trouxe até aqui. Eu olho para trás e sou muito grata por tudo o que eu passei porque me fez ser a pessoa forte e com vontade de vencer que eu sou hoje. Sou extremamente grata por mim mesmo, por não ter desistido. E por ter tido pessoas que sempre acreditaram em mim e não largaram a minha mão. E a minha fé inabalável que é extremamente importante para mim”, completou.

A atleta de 22 anos encantou com uma participação brilhante, tornando-se a primeira mulher brasileira a conquistar uma medalha olímpica na ginástica artística e a única a subir no pódio duas vezes em uma mesma Olimpíada. Mesmo sem a terceira medalha no solo, ela saiu de cabeça erguida por ter feito o melhor e minimizou a pequena falha que teve ao pisar fora do tablado.

“Durante a competição eu consigo ficar muito bem. Quando acontece um erro de sair do solo é necessário. Ou você sai ou você cai. Você tem que buscar fazer o seu melhor. Hoje eu dei tudo de mim, dei o meu melhor. No primeiro dia da classificatória eu também fiz o meu melhor e fiz uma excelente série. Todas as meninas têm técnica boa. Acho que vai de pessoa para pessoa segurar a emoção, jogar a emoção para fora. Eu consigo mostrar isso muito no solo porque estou sempre sorrindo. Isso conta muito”, finalizou.

Confira a entrevista de Rebeca Andrade para Elia Junior:

  • rebeca andrade
  • tóquio-2020
  • ginástica
  • esportes
  • olimpíadas
  • app