Notícias

"Temos que tomar a vacina", diz Nadal sobre polêmica envolvendo Djokovic

Da Redação Bandsports 06/01/2022 • 11:06 - Atualizado em 15/01/2022 • 12:40
"Ele (Djokovic) sabia que sem vacina não poderia vir para cá", disse o espanhol
"Ele (Djokovic) sabia que sem vacina não poderia vir para cá", disse o espanhol
Divulgação/Roland Garros

Após estrear com vitória em seu retorno às quadras em 2022, Rafael Nadal voltou a conceder entrevista coletiva na Austrália, onde disputa o ATP 250 de Melbourne, torneio preparatório para o Australian Open. Conhecido por não se esconder de perguntas, o tenista espanhol comentou sobre a situação de Novak Djokovic, que foi barrado no aeroporto e terá que aguardar até segunda-feira, 10, para definir sua situação no país.

Nadal optou por não entrar no mérito da decisão do número 1 do mundo de não se vacinar, mas ressaltou que as regras eram claras para todos que desejassem disputar o primeiro Grand Slam do ano.

“Ele [Djokovic] sabia que sem vacina não poderia vir para cá. A minha opinião é clara. Temos que tomar a vacina. Eu sinto por ele, mas como adulto tomou as suas próprias decisões. Confesso que não gosto da situação, mas repito que todos os tenistas sabiam das regras e condições”, afirmou o espanhol.

A pouco menos de duas semanas do começo do Australian Open, Nadal salientou também que entende o descontentamento dos australianos com a situação.

“O povo australiano tem o direito de estar frustrado. Foram quase dois anos em lockdown, então quando o assunto se torna público, fica difícil para eu emitir uma opinião”, disse o experiente tenista de 35 anos.

“Fomos orientados a tomar vacina para controlar a pandemia que afeta o mundo todo e jogar torneios. As condições de vir para a Austrália eram claras e não tem muito mais o que falar a respeito disso”, acrescentou.

O ex-número 1 do mundo contraiu covid-19 no fim do ano passado e destacou a importância da imunização, evitando que seus sintomas fossem mais graves: “Foram cinco dias de cama, sem me mover muito e com febre alta. Acho que de todas as doenças relacionadas à gripe, essa foi a pior que já tive”, ressaltou.