Notícias

É certo torcer para skatista cair para favorecer brasileiros? Especialista comenta

Da Redação 26/07/2021 • 17:29 - Atualizado em 26/07/2021 • 18:21

Estreante em Jogos Olímpicos, o skate rendeu duas medalhas para o Brasil em Tóquio, mas também motivou um debate nas redes sociais durante as finais do street. E tem a ver com o comportamento dos brasileiros e a torcida contra os skatistas estrangeiros. Isso num esporte em que errar normalmente significa levar tombos, alguns graves.

Então é certo torcer para que competidores estrangeiros caem ao tentar as manobras, para favorecer os brasileiros? Isso combina com skate e o espírito olímpico?

Nome conhecido do skate e comentarista do Bandsports, Rodrigo Kbça falou sobre os brasileiros que torceram e vibraram com as quedas dos adversários dos atletas brasileiros.

“Para mim é um pouco estranho. Eu acho que quando a gente fala de skate, a gente fala de indivíduos que têm muita emoção envolvida, muita dedicação. Para mim é difícil torcer contra”, disse Kbça, que ainda completou dizendo que torce pelo bom skate.

“Eu quero ver bom skate. Se ela vai ser vitoriosa é porque ela andou bem de skate. O ideal para a gente é que todos andem bem, ninguém se machuque”, disse o comentarista.

Rodrigo Kbça também alertou para os perigos que uma queda pode ter para um atleta.

“Quando se torce para alguém cair, a gente está falando de uma escada de doze degraus, que elas [skatistas] voam dois metros de altura. E machuca. A gente viu atletas mancando, se esforçando… Então é meio estranho”, lamentou Rodrigo.

O Brasil conquistou duas medalhas de prata no skate street. A primeira veio com Kelvin Hoefler, de 27 anos, que garantiu a primeira medalha do Brasil nos jogos de Tóquio-2020. 

A segunda prata foi conquistada por Rayssa Leal, de apenas 13 anos, tornando-se a atleta mais jovem a garantir uma medalha para o Brasil em Olimpíadas. 

  • olimpíadas
  • tóquio2020
  • app
  • skate
  • rayssa